1.20.2007

Don Castro de San Telmo Abajo (Mexico)

Dia 170
Km 11007



No dia 2 de Janeiro estava um dia de calor e céu limpo. Na verdade desde que passei a fronteira Mexicana há 4 semanas atrás, tive apenas uma manha com chuva. Na manha que acampamos no "rancho de la vaca perdida", assim intitulado por nós, ao vermos os vaqueiros numa frustrada e vã tentativa (mas divertida) de apanhar uma certa vaca que se "perdeu" pelas vastas colinas áridas que rodeavam o rancho. Essa manha caiu de um céu cinzento seda, uma chuva fina e subtíl. Chuva invernosa do deserto, ao que os índios navajo chamam de "chuva feminina".
Carreguei a "burra" e já depois do meio dia deixamos o acampamento da baía de los Angeles e fizemos-se à estrada. Uma manha como tantas outras com uma pequena, grande diferença: deixava para traz os meus companheiros de viagem dos últimos 2500 kms: a Sheila e o Bernardo. Juntos tinha mos passado por bons momentos e custou-me dizer-lhes adeus. Essa noite acampado de novo no deserto, junto a fogueira, escrevi o seguinte no meu diário de bordo:

"(...) Subimos aquela estrada cheia de curvas mais uma vez, desta vez apenas eu e o Adolfo. Sheila e Bernardo ficaram para traz na companhia do novo membro do "gang", the-crazy-guy-on-a-bike chamado Jeff. Mais um ciclista nómada a caminho do "sul". As montanhas ao meu lado direito protegiam-me do vento, aumentando as temperaturas de um sol já quente. Algumas gotas de agua salgada escorreram-me cara abaixo. seria suor? Ou lágrimas?. Não consegui decifrar, mas ao deixar para traz a Baía de los Angeles, pensamentos nostalgicos apoderaram-se da minha mente, e o deserto não parecia tão bonito como dantes. Era mais seco, mais vazio.

Por vezes tive vontade de dar meia volta e regressar a baía.
Mas não será esta viagem acerca de encontrar, conhecer e partir?. E não será suficiente enriquecedor que as malas da minha memoria se vão enchendo com momentos e faces que tornam única a experiência de viajar em bicicleta?
Vou sentir falta deles!!
Afinal de contas com que frequencia eu conheço alguém [sheila] que gosta de pene mas não de esparguete? Ou alguém [Bernardo] que tem gozo em cozinhar com as especiarias do deserto (leia-se areia) ao contornar o seu pesado corpo em redor do fogão acente no chão, levantando uma nuvem de pó que consequentemente é misturada no seu pote preto do fogo,com um acolher de pau com 20 cm? O resultado seria sempre algo simples mas delicioso!!.... São 8.30 da noite, hora de ir dormir. amanha será outro dia, espero que seja um mais feliz(...)"

Na companhia do Adolfo as médias subiram de novo para os 90/100 km/dia. Uma das vantagens de viajar de norte para sul, nesta altura do ano, aqui na Baja California, e que o vento forte esta sempre a favor, a não ser, é claro, que a estrada mude de Direcção. Foi a que aconteceu depois de passar pelo lindo oásis de San Ignácio (uma excelente quebra do árido e seco deserto,com palmeiras e lagos), durante 25 km (3 horas) lutamos contra um vento lateral endiabrado, cujas fortes rajadas me puseram fora da estrada vezes sem conto (pelo menos 20!). E fora da estrada, na transpeninsular Mex1, significa na valeta! pois a definição de berma no dicionário mexicano refere-se a um espaço imaginário entre a linha branca da estrada e a dita valeta, onde toda a gente espera que um ciclista pedale ,excluindo camionistas, que simplesmente ignoram a linha branca, o espaço e o ciclista por completo!
Na companhia do Adolfo, aprendi também as definições de duas outras palavras do dicionário mexicano importantes para ciclistas: "planito" que se refere a uma estrada com poucas subidas, como foi o caso do nosso primeiro dia de pedalada no México, em que o "planito" garantido pelo Adolfo foram 1226 metros de desnivele acumulado.
Mas a minha preferida é "cerquita". "cerquita" é daquelas palavras que toda a gente usa, mas que só algumas dão importância ao seu significado. Imagina que queres ir do ponto A ao ponto B numa estrada Mexicana e perguntas, ao longo do percurso a 10 pessoas diferentes, a que distancia estás do ponto B. Todas elas te corresponderão que já estás "cerquita", mas só o ultimo a quem perguntas-te, te diz a verdade.

Chegámos a Mulegué junto ao mar de cortês,depois do meio dia. Um outro oásis de verde nesta península árida, e local para mais uma missão espanhola. A península da Baja Califórnia, foi em tempos, colonizada pelas missarías jesuítas e não por "los conquistadores" da armada espanhola. Um dos melhores exemplos deixados pelos missionários, foi a missão de Loreto, uma cidade turística um pouco mais a sul. Depois de mulegué, segue-se a Baía de la concepcion, uma zona de pequenas Baías e praias com palmeiras e "palapas" (cabanas feitas com ramos de palmeira), junto às águas calmas do mar de cortes, e que apesar de turísticas, fogem ao estilo resort-cimento comum a zona de los cabos, na ponta da península, e ainda é possível encontrar um pedaço desértico de areia branca e fina que possas reclamar como teu durante os dias que por ali acampares.

Passamos 3 dias num deles, a playa Escondida com 6 ou 7 palapas e meia dúzia de turistas. Decidimos que não seria necessário usar a tenda, e durante a nossa estadia dormi na minha rede montada dentro de uma palapa,(um pouco destruída pelo furacão de Setembro passado) e o Adolfo dormiu a contar as estrelas. Acordei todas as manhas, com os primeiros raios de sol a baterem-me na cara e com os tons vermelho laranja a reflectir nas águas plácidas da baía, seguidos pelo buzinar desenfreado do Sr Rámon na sua velha furgoneta a descer monte abaixo. O Sr Rámon passava pela praia todas as manhas a horas poucos decentes a vender um pouco de tudo: leite, ovos, lenha, gelo, camarões frescos, etc. Alem do "buzineiro" transformado em mercado ambulante, a nossa próxima opção seria os supermercados e restaurantes de Mulegué, 30 kms a norte. Uma vez que o som da buzina do Sr Rámon desaparecia por detrás dos montes, a minha maior preocupação era , como matar o tempo entre a rede da palapa, uns mergulhos nas águas tipo lagoa do cortes, ou a observar os pelicanos a bombardear a àgua com os seus desajeitados corpos, á pesca.

Teria ficado ali uma semana sem dar por ela, se não fosse o Afonso ter os dias contados para regressar a escola, e eu também com data marcada para chegar a Cancun no final de Fevereiro, altura em que alguém muito especial chega ao México: A sereia do Tamisa.
Chegamos a La Paz 27 dias depois de sair de Tijuana. Foram 1751 km nesta minha primeira etapa no México, e final de viagem para o Adolfo.
Despedi-me do Adolfo, e do Hermann e Flávio (2 ciclistas Mexicanos que tinha-mos conhecido no oásis de San Ignácio, e que nos ofereceram a sua casa em La Paz), e empurrei a Kona ´fire mountain` para dentro do Sinaloa Star. O barco que me iria levar á cidade de Mazatlan, no outro lado do estreito mar de cortes.
16 horas de viagem.
A "burra" ficou amarrada no porão, e eu fui para o bar junto á proa beber umas "coronas" e a ver, primeiro a cidade de La Paz, depois a sua Baía e depois toda a península da Baja, a desaparecer diante dos meus olhos, até que se transformou em apenas uma linha de azul no horizonte.

Por detrás da linha ficou o sorriso do Adolfo, os cactos do deserto, a playa escondida, as fogueiras, o Bernardo e a Sheilla (provavelmente a pedalar) e a cara vincada pelo tempo, do Don Castro, um señor que logo nos primeiros dias de pedalada no México, nos ofereceu a sombra do pinheiro manso do seu jardim para montar-mos as tendas, e que nos contou inúmeras historias noite dentro,da Baja e do Mexico, e Mexicanos em geral. A sua preferida, a julgar pelo seu entusiasmo, deve ter sido sobre a agricultura, que iniciou com o cultivo dos tomates, e Nopales (um tipo de cacto que se come), divergindo depois para o cultivo da marijuana e o narco-trafico mexicano. Assunto que parecia estar bastante inteirado, com preços, qualidades de sementes, formas de cultivo e zonas de trafico. Na manha seguinte despediu-se de nós dizendo, já sabem, se um dia voltarem, a sombra do pinheiro manso aqui estará!
Depois de passar os últimos 3608 km ou 65 dias na companhia de uma forma ou de outra com outros ciclistas, estou de novo sozinho.
Sozinho?-Nem por isso!
Afinal de contas as estradas Mexicanas estão cheias de trafico... e eu e a minha "burra", fazemos parte dele!!!

Nuno Brilhante Pedrosa
escrito a Bordo do Sinaloa Star, mar de cortes, México

2 comments:

MANHENTE said...

Continuação de boa viagem. Aguardo entusiasticamente o próximo relato.

Louisa said...

Keep up the good work.